terça-feira, junho 05, 2012

Neverwhere

Geralmente sou uma pessoa muito emotiva, de lágrima fácil e que sente tudo com uma intensidade elevada a 10. Ultimamente isso não tem acontecido...

Não sei precisar o momento em que deixei de sentir, em que me fechei ao mundo. Pode ter sido a morte do Filipe, pode ter sido por sofrer desilusões atrás de desilusões de pessoas que me eram muito próximas. No fundo, não interessa o motivo, porque acabei por me fechar para me proteger. Deixei de sentir para não sofrer.

Por outro lado, acho que também acabo por não me achar no direito de sentir em diversas situações. Ou para me impedir de sofrer de novo, ou porque as situações não me dizem respeito e então reprimo.

O problema é que não me sinto eu e ando a sentir necessidade de me encontrar.

7 comentários:

Anónimo disse...

Time after time. Para mim, tu e não só, continuam em mim. Estou-me nas tintas para o resto.

Corina de Oliveira disse...

Vais ver que te vais encontrar... e não andas perdida, apenas distraida :)

Pereska disse...

Bem, remeteste-me para o teu Blogue e deste-me vontade de voltar a escrever. Às vezes...é libertador.

Esse estado "numb" é uma defesa, como é óbvio. E é normal que não te sintas no "direito", mas isso não quer dizer que não o tenhas. Todos temos direito a sentir isto ou aquilo, quer exteriorizemos quer não.

Não te perdeste. Se há pessoa na minha vida que não anda perdida és tu! Sabes perfeitamente o que queres, o problema é que nem sempre a vida te dá isso...e tu preferes não sentir de todo... Para que não te sintas mal.

Gostava de ter uma solução espectacular para isso, mas... sorry =/

Percebo. E olha... Se algum dia te apetecer exteriorizar... Sou toda ouvidos.

Pereska disse...

Nos picos da vida...sejam bons ou maus...dá-me para escrever! Mesmo que ninguém leia... olha, pelo menos deitei cá para fora de uma forma arrojada.

E tu entretanto não partilhaste mais nada. Vê se tratas disso :)

Quina disse...

Olá!Concordo com a nossa colega Pereska, é normal isularmo-nos quando não temos apoio de alguém, mas verás que apenas é uma lição de vida e apenas tens que pensar o que podes de bom tirar desta pequena experiência! Eu também gostava de ter uma solução espectacular para te ajudar, mas primeiro e se quiseres, terás que me contar o que aconteceu, e tenho a certeza que irei encontrar uma ajuda para ti xD e claro que estarei sempre aqui para te ajudar, apesar de agente não se conhecer e que seja apenas virtual, não me interesso nada com isso, gosto de ajudar as pessoas e de andar pelos blogues e ver as experiências que andam a ser feitas para quando me acontecer o mesmo, saber como lidar com elas. Pereska, quando acabar de ler o blogue da nossa colega irei certamente para o teu e partilhar opiniões contigo, terei todo o gosto! :] Por agora ficarei 'a espera da história da nossa colega.

Atenciosamente,
Diogo.

Afal disse...

Olá, Quina, obrigada pelas palavras ;) Todos passamos por fases, umas boas e outras menos boas, não é isso que nos define, mas sim a maneira como lidamos com elas. De qualquer forma, como já diziam os antigos, "não há bem que sempre dure nem mal que nunca acabe.".

Vai passando mais vezes!

Quina disse...

Olá Querida, Não agradeças, fiquei sentido com as tuas palavras e achei que precisavas de um amigo (ainda assim que seja virtual). Claro que sim, todos nós temos fases boas e más, mas e onde estão os amigos/colegas quando precisamos deles? Essa é que é a verdade :$ A forma como lidamos com eles acho que tem muito a ver com a experiência de vida que obtemos durante os anos que vão passando! Claro que existe bem que dure sempre, apenas temos que saber conservar aquilo que achamos que vale a pena :]
Gostaria imenso de ter um contacto teu(email, msn) para assim pudermos conversar melhor xD' Fico à espera! Sim, passo mais vezes!
Bejijinho *