sexta-feira, agosto 25, 2006

Dramas de Adolescentes: O que mudou?

"Gosto tanto dele"
Antes
Estávamos sempre apaixonadas por alguém, geralmente o "setôr" de Biologia ou o Manel, que era o irmão mais velho da Carla e usava franja loura, era surfista e não nos ligava nenhuma. Aliás, o ideal era estar apaixonado por alguém convenientemente longuínquo, fartávamo-nos de chorar e era maravilhoso, porque não acontecia nada, mas também não se corria o risco de levar uma "tampa".
Agora
É possível estar-se apaixonado por 30 pessoas ao mesmo tempo, três da nossa aula e 27 que conhecemos num chat, metade das quais até podem ser do nosso sexo sem que suspeitemos.
Problema: nos chats toda a gente diz que nos ama, nos chama "fofinha" e "chuchu" e nos envia apaixonadas declarações de amor. Como distinguir as declarações que são mesmo verdadeiras e as que são mera etiqueta cibernética? Mas ainda se continua a morrer de amor com 15 anos para ressuscitar no dia seguinte. Aliás, hoje "morre-se" ainda com mais drama, porque não existe outro objectivo na vida senão arranjar namorado, e quanto mais cedo melhor. Se não arranjamos, somos umas falhadas com 14 anos.
"Já fizeste?"
Antes
Aos 12 anos trocavam-se cromos de desenhos animados e ninguém discutia quem é que tinha feito o quê.
Agora
Já há quem, aos 10 anos, pergunte à avó: "Quando é que fizeste sexo pela primeira vez?" O que não é necessariamente mau, mas não devia ser uma preocupação de quem tem 10 anos. Se alguém ainda não fez sexo aos 15 anos, é um "careta". Aos 16, pode entrar para o convento. A pressão nos rapazes é ainda pior.
"Pais, afastem-se"
Antes
O drama era como fazer com que os pais não percebessem que não era suposto revistarem a nossa mochila à procura de "charros" e de cartas de amor, nem ler o nosso diário à procura de revelações com as quais depois não saberiam lidar.
Agora
Há coisas que nunca mudam, com a diferença que os pais já não revistam diários, mas telemóveis e e-mails. Drama mais recente: fazer com que a mãe perceba que não deve ir para a discoteca aos pulos com um top azul-turquesa como se tivesse a idade deles.

"Charros não"
Antes
Como arranjar um charro sem os pais perceberem.
Agora
Como recusar um charro (uma cerveja, um vodka, uma "curte") sem parecer careta.

"DAHHH!"
Antes
O rol das palavras irritantes incluía "Prontos", "ó coisinha" e "pá" por tudo e por nada.
Agora
"Bué", tecla 3, "dahhh". (Nota: claro que este drama é para os adultos, para eles não é drama nenhum...).
in "Activa", Setembro 2006

Ora bem...Sou uma falhada: tenho 19 anos e não tenho namorado (nunca tive e não estou propriamente desesperada). Vejamos...posso e, provavelmente, deveria entrar para um convento. Felizmente não tive problemas com diários, charros ou o que quer que fosse. E sim...ta,bém sou atacada pelo problema do "bué", mas ainda sei usar o "muito".
Serei um caso perdido??

7 comentários:

Kaixas disse...

O artigo está giro...

E não, não és um caso perdido... apesar da idade não ter nada a ver com isso, tu ainda és uma rapariga/mulher nova... don't stress...


Kiss

Nobody's Bitcho disse...

Mana que seja minha, mas nenhuma mesmo, é considerada caso perdido.

Simplesmente pk o unico caso perdido sou eu, ta? Portanto... vamos lá a ver! Nada de me tentar arrancar o lugar :\


Outra coisa... tens 19 anos e és virgem. Qual o problema? Sinceramente, acho que fazes bem em "guardar-te" para alguem especial. Mas esse alguem tem que merecer (nao faças como eu!! =X Next -> LOL ) Tipo... tens tempo. :)

Só te peço uma coisa! Nao te cases virgem sff!!! E digo-te pk... pk podes dar-te às 1000 maravilhas com alguém e dps, na hora de consumar o acto, vcs nao se entendem. Mas isso tb n ker dizer k sejas puta!!! o.o' Há que manter o respeito. Sim?


Bem, isto ja ta grande! Bjinhos almofadinha kida de eu :D ******

A.M. disse...

Não te preocupes demasiado com isso, o momento chegará quando menos esperares. E se o esperas ele demora... Cada caso é um caso e não tens de te sentir mal por isso!

A vida é uma coisa tão linda... Linda demais para nos preocuparmos com sexo. Porque amar não é só sexo.
Mas segue o conselho do teu maninho porque ele tem toda a razão.
Beijos

Afal disse...

Ai meninos, levaram a coisa demasiado a sério. Eu estava simplesmente a avaliar-me pelo que o artigo diz que é o "Agora".
Não me acho uma falhada, pelo menos não por aqueles parametros.
Outra coisa...não me sinto mal por ser virgem. Não sou uma pessoa superficial. Se só quisesse isso já não era virgem, deixem lá...

Obrigada pela preocupação****

'Tá Difícil disse...

ohohoh... giro!!
Você diz que "não está propriamente desesperada" e eu imagino-a perfeitamente "na maior" em relação ao assunto, muito bem resolvida.
Abro a caixa de comentários para reforçar a ideia da qual você própria tem certeza (ou seja, que não é um caso perdido) e deparo com alguns amigos seus numa atitude de "ai que a nossa menina está a pensar que não tem remédio!!!"
Ainda se torna mais giro quando é a própria a descansá-los... :)))

Continue genuína, que assim é que tem valor.

Cumprimentos.

Chosen One disse...

De todo, não se devia definir ninguém pela idade em que fez isto ou aquilo, muito menos um passo desses que exige maturidade física e emocional. Gostei do blog, conta com mais comentários meus no futuro!***

Korina disse...

ahahah tinha que me rir desse artigo...infelizmente já passei por muita coisa que aí diz mas sendo assim: sou uma freira, uma careta e muito mais :o
lol não me interessa porque sou uma pessoa com princípios tal como tu :) e nisso temos que nos orgulhar porque hoje em dia é muito difícil haver pessoas com príncipios!

Mas no caso das expressões, sou um caso perdido mm xD

* Adorei o artigo :D