domingo, outubro 09, 2011

Desabafos

Sinto falta de ti. Apetece-me chorar e percorro mentalmente todas as pessoas a quem poderia recorrer e não tenho vontade de falar com nenhuma. Apenas contigo não seria necessário discorrer toda a história para que me percebesses. Apenas tu não ias criticar o que sinto, nem mesmo em silêncio, porque apenas tu percebes perfeitamente que estas coisas não se explicam, nem se falam.

Sinto a tua falta. Falar contigo dá-me paz, acalma-me, apazigua esta alma cansada. Tudo e nada misturado, podiam ser como água e azeite. Um insípido e outro fragrante, impossíveis de misturar, mas que precisam um do outro para se definirem.

Alma de poeta, sensíveis mesmo quando não escrevem. Sinto falta de pintar os meus mundos interiores com palavras. Levaste as palavras contigo e nunca percebi se as roubaste ou se foi uma última prenda minha. Levaste-as e eu calei os meus mundos. Não te vou dizer que só fazem sentido contigo, porque o sentido da nossa vida só nós o podemos encontrar e só em nós reside.

Mas de que serve? As palavras estão caladas e eu sinto-me só, sem ti. Sobrevivo, claro, porque a tinta circula das minhas veias e artérias. As letras estão lá, informes, tímidas, sobrevivem sem viver. Uma pura corrente sem propósito. Como as lágrimas que choro por razão nenhuma e por todas as razões deste mundo.

(Isto tem data, já foi há algum tempo, mas só o voltei a descobrir hoje...)

2 comentários:

Corina de Oliveira disse...

Acho que nada do que eu possa dizer, possa eventualmente ajudar-te... até porque eu não estou tão ordenada como isso xD LOL mas há uma coisa: sempre que precisares, estou aqui :)

Afal disse...

Eu sei linda, o mesmo para ti, como espero que saibas ;)

Isto foi antes de ir aí e de a minha mente ter ficado um bocadinho mais pura com o ar dos montes :D